segunda-feira, 23 de novembro de 2009

AMOR NÃO SE QUANTIFICA.

É difícil falar em quantidade de amor.
Sempre dizemos que amor de mãe é o maior amor do mundo. Ainda assim é difícil quantificar.
Já há algum tempo conheço o caso da Odele e sua filha Flávia, vou algumas vezes ao blog dela, embora, não seja uma assídua visitante.
Muitos de nós já vimos por entre blogs de amigos o caso narrado do acidente da Flávia.
Mas essa matéria que saiu na revista Época, dá alguma dimensão de como têm sido o dia a dia de Odele e sua princesa.
Uma princesa que dorme como anjo, mas que eu acredito sim, que sonha como princesa.
Não acredito que seus olhos não vejam, que seu coração não sorri ao ver o rosto da dedicada mãe.
Acredito que Odele não deve ser vista como uma coitada que sofre, mas como uma lutadora, que ama acima de tudo.
Que seus dias sejam tão somente para dar amor. Amor em forma de cuidados, mas amor sem sombra de dúvidas.
Acredito que o que se deve levar em conta nessa mulher, acima da fibra e força, é a capacidade de amar.
Quem nos dera ter um pouquinho dessa capacidade.
Por um filho, não se perde tempo, por um filho, não se sacrifica. Mas por um filho se desenvolve a capacidade do amor pleno.
A história é muito bonita. Está todinha aqui:

Prá você que não conhece ainda, e tem um tempinho, não para perder, mas para ganhar, dê uma lida na íntegra da matéria. Quem sabe com isso ganhamos um pouco de aprendizado, ganhamos em perceber, que o que conta não é o sofrimento da Odele, mas a grande capacidade de amar. Embora ela ainda acredite que seu amor não foi grande o suficiente para operar o milagre que espera todos os dias.
Mas ele tem acontecido.

2 comentários:

Barbara disse...

Mães têm príncipes e princesas e não são menos do que isso, os filhos.
Talvez porque tenham uma rainha - a mãe.
Não sei de quem é o mérito - se do sonho ou se da rainha ou se da vida mas de repente, é tudo isso!

Conceição Duarte disse...

Aninha minha querida, como vai?
Sabes que ando atrapalhada, Orlando está melhor, mas ainda longe de ser como era... Estou ligeiramente cansada, mas tudo bem, tudo passa. O calor tb ajuda a desanimar um pouco a gente...
E mãe é força eterna!
Um grande beijo para você e obrigada pelo seu carinho, CON